Por Helena Vallée Dallaire - Coordenadora do Programa Juvenil

Notre monde est-il durável? (O nosso mundo é sustentável?) Fotografia: Bakary Emmanuel Daou (n. 1960, Mali)

Nos últimos anos, a criatividade e a arte têm sido cada vez mais usadas para informar um público maior e mais diversificado sobre a importância e a urgência de nossa situação ambiental.

A arte se ativou em todos os seus meios: seja pelo uso de seu conteúdo, seu conceito, seus componentes materiais, ou artistas mudando seus comportamentos para reduzir seu impacto ambiental e se juntar ao movimento.

A eficácia da arte para transmitir uma mensagem e levar à ação não deve ser subestimada; lembretes fáceis são os vestígios físicos de sucessos e manifestos passados ​​que cobrem as paredes de nossos museus. 

Aqui estão alguns exemplos inspiradores de orientação ecológica. 

Filme

A eficácia do filme como meio de mudança já se provou inúmeras vezes, por meio de títulos como:

  • amanhã (Amanhã), filme de Cyril Dion realizado em 2015 que gerou uma impressionante mobilização cidadã
  • Uma Verdade Inconveniente, o filme de Al Gore que abriu os olhos de milhões de pessoas sobre a emergência climática em 2006
  • O 11th Hour, o documentário de 2007 de Leonardo diCaprio e Leila Conners que também deu início a um movimento e ajudou a salvar uma antiga floresta tropical.
  • The Cove, o documentário de 2009 que expôs a matança anual de mais de 20,000 golfinhos e botos na costa do Japão, que lançou um movimento de proteção internacional. 

Sem sair do Canadá, vamos lembrar 'SErreur Boréale (O erro boreal). Este filme de 1999 dirigido por Richard Desjardins chocou o público ao revelar ao público de Quebec nossas antigas florestas devastadas pelo corte raso. Resultou na mudança da lei em direção a um manejo florestal mais sustentável.

 E, claro, o clássico documentário de Alanis Obomsawin Kanehsatake, que captura a luta comovente e corajosa da Primeira Nação Mohawk contra a destruição de suas terras, remontando a uma história de deslocamento e profundo desrespeito à terra e ao povo pelo homem branco. Mostra com muita clareza o embate entre o estado de espírito ocidental, que tanto destruiu o meio ambiente, e o espírito dos índios que wilEu ainda defendo sua pátria, até o fim, seja ele qual for.

actionboreale.org

Arte Visual

Os artistas visuais integram o pensamento ecológico em seu trabalho de várias maneiras. Seja por upcycling, reciclagem ou movimento de lixo zero, a mudança está ocorrendo em relação à origem dos materiais utilizados. Esses eco-artistas se preocupam em produzir o mínimo de resíduos possível ou em transformar os resíduos existentes em um objeto estético de contemplação.

Artistas ecológicos renomados incluem Tim Noble e Sue Webster, um casal inglês que cria esculturas a partir do lixo que parece ser apenas isso, até que se iluminam; revelando repentinamente suas sombras projetadas, formam imagens de realismo surpreendente.

Tim Noble e Sue Webster, Wild Mudanças de humor

Artista pastel Zara Forman usa seu meio de desenho clássico para ilustrar imagens do Ártico enquanto o gelo derrete e o nível do oceano sobe. Seu projeto é inspirado em voos de avião; ela queria compartilhar uma visão deste lugar distante que escapa às considerações da maioria das pessoas.

Zara Forman trabalhando em uma peça, legionpaper.com

Radicado no Canadá e membro da Primeira Nação Kitigan Zibi Anishinabeg, o artista multidisciplinar Nadia Myre, tornou-se conhecida internacionalmente por suas tocantes obras de humanidade. Utilizando o poder das técnicas tradicionais indígenas para fazer trabalhos manuais, suas peças falam de justiça, proteção social, proteção ambiental e produção cultural. A visão que se mantém nas práticas indígenas sobre a relação entre o homem e a produção é rica em sabedoria e necessária nestes tempos de educação ecológica.

Balancing Acts, 2019, Nadia Myre

No Québec, Laurence Deschamps-Léger lançou um projeto de ilustração sobre plantas locais.

O projeto dela se chama Laucólo (para “Laurence qui colorie” / “Laurence que colore”), e promove as diferentes plantas que podem ser consumidas localmente em cada estação. Seus trabalhos, incluindo livros para colorir, contêm informações relevantes sobre como incentivar os produtores de Quebec. Assim, ela usa suas ilustrações elegantes e acessíveis, para incentivar o consumo local e responsável.

@laurence_laucolo no Instagram

atuação

No mundo da arte performática, artista francesa Laurent Tixador, é líder em projetos ambiciosos que nos confrontam com a realidade ambiental. Em 2018, ele criou uma usina hidrelétrica a partir de materiais reciclados para fornecer eletricidade para sua própria exposição. Mais recentemente, durante a sua residência no interior da casa fortificada de Monbalen, na França, iniciou a construção de uma pequena habitação utilizando apenas os recursos contidos num raio de 50 metros. 

Laurent Tixador criando um jardim aquático participativo no Musée de Nantes

No Canadá, artista Tianna Barton, com sede em Vancouver, apresentou “Waiting for the Beach” na primavera de 2019. Ela deitou em um maiô na calçada enquanto outras ainda usavam casacos, para significar a espera pelo aquecimento global e pela elevação dos oceanos que wilTransformo esquinas industriais em praias. Esta foi uma mensagem direta e eficaz, que atraiu a atenção da mídia nacional.

Esperando pela praia #rising #sealevels,  A atuação de Tianna Barton em Vancouver

Design

O design biofílico tem sido uma tendência crescente em novas construções nos últimos anos. Este tipo de projeto visa oferecer experiências que normalmente podem ser encontradas na natureza e incorporá-las no interior de edifícios. Isso pode ser alcançado de várias maneiras, incluindo o uso de materiais naturais, de fontes de luz natural e vistas da natureza circundante. O design biofílico integra a natureza em nossos espaços de vida e de trabalho. Permite-nos voltar a ligar-nos aos elementos naturais sem sair da divisão, o que aumenta a nossa valorização destes elementos e pode contribuir para a sensibilização para a sua protecção. Certos projetos também nos ensinam informações relacionadas ao ambiente em que o edifício está inserido e sua história. Viver ou trabalhar nesses espaços provou ser muito mais saudável - um reflexo dos inúmeros benefícios de se conectar a ambientes naturais. O impacto do design é sutil porque atinge apenas as pessoas que visitam ou permanecem em um determinado espaço, mas é importante porque tem o potencial de nos afetar diariamente.

Le Phoenix, o escritório de Lemay em Montreal

Música

Vários artistas compartilharam sua preocupação com o meio ambiente por meio da música. Um exemplo clássico, que data de 1971, é Mercy, Mercy Me (A Ecologia) do grande Marvin Gaye.

A música é um meio maravilhoso para se reconectar com o mundo natural. Acho que a trilha sonora do filme Koyaanisqatsi de Philip Glass, nos lembra a beleza e a fragilidade desta Terra que nos abriga. Koyaanisqatsi, de 1982, é em si um filme clássico de orientação ecológica.

Vários artistas performáticos também aproveitaram sua popularidade para tomar decisões importantes para proteger o meio ambiente. Em 2019, o Coldplay notavelmente anunciou que não iria sair em turnê para promover seu álbum mais recente devido a questões ambientais. Na França, um movimento coletivo chamado As aberrações reuniu cerca de sessenta artistas que estão empenhados em mudar os seus hábitos profissionais e pessoais para os tornar mais verdes. No Reino Unido, o Massive Attack pediu ajuda aos cientistas para tornar suas viagens mais neutras em carbono.

Stanley Aneto, um artista nigeriano, canta sobre o desastre ambiental com o objetivo de sensibilizar a população de seu país. Ele acredita no poder da música para espalhar a mensagem e gerar ação coletiva.

Muitos artistas emergentes são inspirados diretamente pela natureza, integrando-a em seu som. No Canadá, Didacte nos conecta com a natureza em seu primeiro álbum, Daqui para a clareira, uma viagem sonora introspectiva que se baseia nos sons naturais da floresta canadense, misturados com ritmos sintéticos, para uma audição cativante.

Uma imagem do filme Koyaanisqatsi

Há uma imensa variedade de arte e artistas que abriram e promoveram com sucesso a conversa sobre a crise ambiental, levando em alguns casos a movimentos sociais locais ou internacionais significativos e mudanças políticas. 

Este artigo foi concebido como um pequeno instantâneo disso, na esperança de encorajar pesquisas futuras e, especialmente, para nos inspirar sobre como a paixão e a imaginação podem se unir para a mudança.